O Nosso T2, por Tânia Ribas de Oliveira

Os irmãos

Olá!

Nunca duvidei da importância de um irmão na nossa vida. O Kiko foi o melhor presente que os meus pais alguma vez me deram, o Miguel nasceu tinha eu 20 anos e completou o nosso trio maravilha. Crescer com um irmão é crescer com um amigo todos os dias. Na mesma casa. No mesmo quarto (no nosso caso). Na mesma escola. É partilhar sonhos e pesadelos, gelados e brinquedos, abraços e turras. É discordar muitas vezes e concordar muitas mais. É ter um melhor amigo até ao fim da vida. Eu sempre soube disto e, por isso, sempre quis ter mais do que um filho. O Tomás tinha dois anos e meio quando o Pedro nasceu e têm uma relação tão bonita que me emociona muitas vezes. O Tomás é o porto seguro do mano, o abraço mais apertado, a grande referência, talvez até o primeiro ídolo. E, como irmão mais velho, é hiper protector, preocupado e compreensivo. Se andam às turras? Também! Claro!!! Faz parte! Há brincadeiras que já se sabe que vão acabar mal porque um deles se vai magoar, o pequeno acaba a chorar porque é um bocadinho fiteiro, etc… mas, na generalidade das vezes e na maior parte do tempo, entendem-se muito bem. Brincam muito, conversam, segredam e, quando um não está, o outro pergunta por ele mil vezes. Lá está: nunca duvidei da importância de um irmão na nossa vida. E, ao olhar para os dois irmãos que nasceram do nosso amor, tenho a certeza absoluta daquilo que nunca duvidei.

 

Tânia Ribas de Oliveira.