O Nosso T2, por Tânia Ribas de Oliveira

Parabéns ao meu Tomás

Há 5 anos, meu amor, nasceste e renasceste-me. Era um dia gelado e soalheiro, como o de hoje. Dia 18 de Dezembro de 2012 foi o início de um mundo novinho em folha, com muito mais amor e muito mais vida. Vida, com tudo o que ela tem dentro: alegria, medo, responsabilidade, paz, desafios, dúvidas e sempre, mas sempre, o coração a ditar, no fim, o caminho a seguir. Meu menino de ouro, não poderia amar-te mais e, no entanto, a cada dia que passa me apaixono mais um pouco. O teu olhar intenso, o teu sorriso malandro, as palavras desde sempre certeiras, o sentido crítico que tens do mundo, a tua curiosidade, a doçura, os abraços mais apertados. E que força têm os teus abraços! É da sopa dos super-heróis que dá músculos ou da fruta que torna mais rápido qualquer jogador de futebol! “Se eu ganhar ao pai sou o mais forte do mundo porque não há ninguém mais forte do que o pai, pois não, mãe?”. Não, não há. Mas se recuarmos ao dia em que nasceste, Tomás, o teu pai voltou a ser pequenino, de coração na boca e lágrimas nos olhos, contigo ao colo e de olhos postos nos teus (são tão parecidos!). Foste o nosso milagre de Natal, em 2012. 

Quando nasceu o mano, dois anos e meio depois, primeiro estranhaste e, depois do primeiro abraço, nunca mais se largaram. Quando vos vejo brincar, questiono-me como é que uma criança com a tua idade pode já ser tão madura e compreensiva, sempre a defender o irmão e a ajudá-lo a ser melhor. Dos vários dons que tens, este é dos mais importantes: ajudas sempre os mais frágeis a serem mais fortes. É uma qualidade tremenda, sabes? Porque só as grandes pessoas, com um coração bom, têm essa sensibilidade. 

Ficarei para sempre presa à tua voz e à maneira única como te expressas e questionas, filho. 

Sim!!! O dia chegou: JÁ TENS 5 ANOS!!!

Aproveita-os bem que eu cá estarei, na eternidade que Deus me der, para te continuar a ajudar a crescer assim: feliz. E agora, se me permites, despeço-me com as palavras que me dizes todas as noites a seguir à história para dormir, com a voz abafada no meu ombro e braços à volta do meu pescoço:

“És super, mega, ultra, extra maravilhoso. O mais lindo do mundo, até ao céu todo, todo”.

Parabéns, Amor querido da mamã.

Tânia Ribas de Oliveira.