O Nosso T2, por Tânia Ribas de Oliveira

Como dar más notícias às crianças

Dar uma notícia difícil a uma criança é sempre algo com que nenhum pai gosta de se encarar, mas a probabilidade de o ter de fazer nalgum momento é alta, seja a morte de um familiar, uma separação, uma mudança de casa, a morte de um animal de estimação…

Deixamos por isso algumas orientações que podem ajudar nestes momentos.

  • Espere por saber a notícia na totalidade. Tenha primeiro o maior número de factos possível, não necessariamente para contar todos os pormenores à criança, mas para conseguir responder ao maior número possível de perguntas que a criança lhe faça. As crianças tendem a preencher as lacunas com a sua própria imaginação e isso pode fazer com que criem ideias assustadoras e não reais.
  • Dê espaço para que a criança coloque as suas questões, mas assuma que pode não conseguir responder a tudo.
  • Não minta, nem invente factos. Seja honesto, mas filtre o que é e o que não é necessário, dê a notícia de uma forma gentil.
  • Use uma linguagem apropriada. Ajudar a criança a perceber é muito importante, usar termos que ela não conhece só a irá confundir.
  • Dê tempo para o luto (que não se faz apenas quando há uma morte, mas sim em qualquer tipo de perda). Algumas crianças poderão precisar de um tempo extra para processar as suas emoções. Diga à criança que não há problema nenhum com o que está a sentir (mas se achar que as emoções estão a ser demasiado intensas ou que se estão a prolongar por muito tempo, peça ajuda especializada).
  • Não dê a notícia sozinho. Sempre que possível, dê a notícia com mais alguém significativo para si e para a criança, assim, assegura congruência na informação que é passada à criança e também terá apoio.
  • Escolha o momento certo. O fim do dia, depois de jantar, pode ser uma boa altura. Antes de a criança ir dormir dispense um pouco de tempo para responder às perguntas da criança, o sono servirá para a criança organizar a informação recebida. Não dê a notícias antes de a criança ir para a escola ou para algum evento importante para ela. Principalmente, não dê a notícia numa altura em que depois não irá estar por perto para prestar apoio e responder ao que a criança necessitar.
  • Considere a perspetiva da criança. Assuma logo à partida que ao dar a notícia à criança ela poderá sentir-se triste e magoada (não se culpe por isso), e não desvalorize as preocupações da criança, aos seus olhos pode parecer algo irrelevante, mas para a criança não, e isso é o que importa.
  • Proporcione um ambiente calmo, familiar e seguro.

 

Se, após dar a notícia à criança, verificar alterações de comportamento que persistem no tempo, que são demasiado intensas e/ou frequentes, não hesite em procurar a ajuda de um profissional especializado.

 

Cátia Teixeira

Psicóloga Clínica

Oficina de Psicologia